Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Nos dias 29 a 31 de julho, a Comissão Justiça e Paz do Regional Sul 1 realizou seu primeiro encontro estadual, na cidade de São Paulo, com os diversos grupos que vêm formando as Comissões Justiça e Paz nas Dioceses, bem como com as Comissões Diocesanas já instaladas nos últimos meses (em São José do Rio Preto, Santo André e Itapeva, além da histórica Comissão da Arquidiocese de São Paulo).

O encontro iniciou na sexta à noite, com uma oração em que se trazia a iluminação das Bem-aventuranças e dos testemunhos de tantos que deram a vida pela Justiça e Paz, seguido da acolhida e apresentação de todos os participantes. No sábado, 30, pela manhã, Dom Pedro Stringhini, bispo referencial da Comissão, e os coordenadores da Comissão Regional, Murilo Gaspardo e Luiza Camargo, apresentaram um pouco a missão e contexto atual das Comissões no estado de São Paulo. A seguir, o conhecido dominicano frei Betto assessorou o encontro. Com sua grande experiência em educação popular, organizou os participantes em grupos para que pensassem as questões que queriam dialogar e, depois, pediu que, alternadamente, os grupos as respondessem. A partir desses anseios e contribuições, frei Betto discorreu sobre a conjuntura atual, com passos e pistas importantes para os membros das Comissões, e sobre a importância das Comissões Justiça e Paz na vida da Igreja e da sociedade no momento atual.

À tarde, a pastora metodista Blanches de Paula assessorou o encontro, na mesma dinâmica de grupos, discorrendo junto às contribuições dos participantes sobre a solidariedade aos pequenos. E, à noite, houve uma confraternização.

No domingo, após a Eucaristia, em plenário, partilharam as realidades e iniciativas, bem como um planejamento para os próximos meses, com atenção ao manifesto “pela vida plena e contra as armas da morte”, em vista do desarmamento em um país que o porte de armas cresceu assustadoramente, entre outras iniciativas pela democracia, diante da fome e do momento eleitoral, e da defesa dos direitos humanos no seu todo. O encontro finalizou com uma celebração ecumênica, em que todos, cheios de esperança, partilhavam o que os animava a partir desse encontro de aprofundamento e partilhas.