Artigos

CNBB: À luz da Assembleia

Talvez como nunca, uma assembleia da CNBB foi tão produtiva como esta última. Tantos assuntos, aprovados com tanta convergência. Tamanha, que chegou a pairar um exagero de adesões, uma demasiada concordância, a ponto de despertar algum temor de ter deixado passar alguma palavra ou frase menos adequadas.

Mas, se observamos bem certos detalhes, podemos identificar as razões desta rapidez de concordância. Os dois principais assuntos já tinham sido estudados na assembléia de 2013, sobre a Paróquia e sobre a Questão Agrária. E os outros assuntos inseridos na pauta deste ano, eram muito oportunos. Além disto, as comissões encarregadas de preparar os textos e examinar as emendas, trabalharam muito bem, inspirando confiança no plenário, e abrindo caminho para a aprovação final de cada texto.

Olhando a pauta, encontramos outra razão da diversidade de assuntos. Bispos reunidos em assembléia não podiam deixar de dizer uma palavra sobre os fatos importantes que estão na agenda deste ano. Até sobre a Copa do Mundo lançaram sua mensagem. E não se omitiram de falar sobre as próximas eleições, e de expressar sua preocupação com a crescente onda de violência que assusta o Brasil.

Tanto que em decorrência desta preocupação, foi lançado um “ano da paz”, em que a sociedade brasileira será convocada a enfrentar, solidariamente, os desafios contidos nesta complexa situação.

A nível mundial, a CNBB acolheu a proposta, trazida pela Cáritas Brasileira, de se fazer uma campanha  contra a fome no mundo, iniciativa que já conta com a firme adesão do Papa Francisco. E para encontrar logo uma maneira prática de atuar nesta campanha, ficou decidido que no próximo ano, a  coleta da Campanha da Fraternidade destine cinqüenta por cento de sua arrecadação para o Haiti, país que ainda está penando para se reerguer das conseqüências do terremoto que se abateu sobre ele.

A assembléia decidiu também apoiar a iniciativa popular de lei, com a proposta de uma verdadeira reforma política. Com isto, a CNBB mostra que identifica bem onde está o nascedouro dos problemas que afligem o país, enredado nos equívocos do seu sistema eleitoral. Pode ser que a sociedade não se lembre muito da Igreja. Mas a Igreja não esquece os problemas sociais. Tanto é verdade que a Campanha da Fraternidade do próximo ano, terá como tema, exatamente, a Igreja e a Sociedade.

Tudo isto fez parte desta assembléia. E muito mais. Foram diversas as sessões dedicadas à partilha de preocupações e dificuldades, inerentes à missão cotidiana de cada bispo. Pois a finalidade primeira, e mais importante, da assembléia da CNBB é o convívio fraterno e a ajuda mútua entre os próprios bispos, que, por exemplo, repartem entre si os gastos das passagens, e além disto são incentivados, na medida das possibilidades de cada um, a ajudar os que provêm de dioceses mais pobres.

Para fins de ação concreta da Igreja, neste ano em que já celebramos a Páscoa, e agora a assembléia da CNBB, parecem bastante claras duas referências práticas a guiar a ação pastoral: acolher as propostas do Papa Francisco, expressas sobretudo em sua exortação Evangelii Gaudium, e iniciar a renovação eclesial, começando por renovar nossas paróquias. Para que assim a Igreja se torne mais missionária, aberta para acolher, e pronta a sair de si mesma, para ir ao encontro dos que necessitam da mensagem libertadora do Evangelho.

Depois de uma assembleia como esta, dá para apostar nas novas esperanças, que este tempo propício nos descortina pela frente.

Por Dom Demétrio Valentini

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.