Artigos

Artigo: Domingo, Dia do Senhor Jesus

A palavra “domingo” vem do latim “dies dominica” que tem também raiz grega. Traduzindo: dia senhoril ou dia do Senhor. Mas que Senhor? É o Senhor Jesus ressuscitado. É também dia dos fiéis que participam do senhorio do Ressuscitado.

Naturalmente, todos os dias da semana são dias do Senhor, mas o primeiro dia da semana é o Domingo, porque foi neste dia que o Senhor Jesus ressuscitou, derrotando o pecado e vencendo a morte e tornando-se o Deus Salvador e o Senhor da vida. O que o sábado dos judeus significava – a passagem libertadora de Deus que fez Aliança com o seu povo eleito no Sinai, a Páscoa judaica – foi prefiguração da Páscoa de Cristo que sintetiza a passagem de Deus por Jesus Cristo, a este mundo, salvando o homem do pecado e estabelecendo com ele a nova e eterna aliança. Para os judeus era no sábado que eles celebravam semanalmente a sua Páscoa, a passagem de Deus e do povo de Israel. Para nós, cristãos, segundo explica o Concílio Vaticano II, o Domingo é o dia da festa primordial, a Páscoa de Cristo. A Sacrosanctum Concilium afirma que “Por tradição apostólica que tem sua origem do dia mesmo da ressurreição de Cristo, a Igreja celebra cada oitavo dia o mistério pascal, naquele que se chama justamente dia do Senhor ou Domingo. Neste dia, devem, pois os fiéis reunir-se em assembleia para ouvirem a Palavra de Deus e participarem da Eucaristia, e assim recordarem a paixão, ressurreição e glória do Senhor Jesus e darem graças a Deus que os ‘gerou de novo pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos para uma esperança viva’ (1Pd 1,3)” (SC n. 106). Prosseguindo neste n. 106, a Sacrosanctum Concilium faz esta peremptória afirmação: “O Domingo é, pois, o principal dia de festa que deve ser lembrado e inculcado à piedade dos fiéis: seja também o dia da alegria e da abstenção do trabalho. As outras celebrações não lhe sejam antepostas, a não ser as de máxima importância, porque o Domingo é o fundamento e o núcleo do Ano Litúrgico”.

O Evangelho da santa Missa de hoje, terceiro Domingo da Páscoa, é de São Lucas – Lc 24,35-48. O Ressuscitado aparece aos discípulos numa refeição e lhes explica as Escrituras. Eles pensam que estão vendo um fantasma, mas Jesus lhes diz: “Sou Eu mesmo. Tocai em mim e vede! Um fantasma não tem carne nem ossos, como estais vendo que eu tenho”. Depois, Jesus pede-lhes alguma coisa para comer. Eles lhe oferecem peixe assado e Ele come diante deles. Então, Jesus lhes diz: “São estas as coisas que vos falei quando ainda estava convosco: era preciso que se cumprisse tudo o que está escrito sobre mim na lei de Moisés, nos profetas e nos salmos”. Estas coisas se resumem no que está escrito a respeito do Messias, sobretudo, que deveria sofrer e morrer e, no terceiro dia, ressuscitar. É verdade que o sepulcro foi encontrado vazio, mas o que convencia mesmo foram as suas aparições. Como disse São Pedro, segundo os Atos dos Apóstolos, “Deus o ressuscitou no terceiro dia, concedendo-lhe manifestar-se não a todo o povo, mas às testemunhas que Deus havia escolhido, a nós, que comemos e bebemos com Jesus depois que ressuscitou dos mortos” (At 10, 40-41).

A teologia litúrgica ensina que os cristãos devem ser pessoas dominicais, isto é, que devem viver sua vida em Cristo. Contudo, a Eucaristia dominical que eles participam semanalmente os ajudam, verdadeiramente, a viver no Ressuscitado.

«A cruz desapareceu na noite,
Mas a nossa noite
Foi inesperadamente iluminada por uma nova luz,
Uma luz que não se pode comparar com nada:
Doce e feliz.
Provinha das chagas d’Aquele homem
Recém-morto sobre a cruz;
De repente apareceu no meio de nós.
Ele era a própria luz, a luz eterna,
Esperada desde os tempos antigos,
Esplendor do Pai e salvação do seu povo.
Abriu os seus braços
E falou-nos com uma voz celestial:
‘Vinde a mim todos os que servistes fielmente o Pai e vivestes com a esperança no Salvador;
Olhai, Ele está convosco,
Conduz-vos ao Reino de seu Pai’».

Santa Teresa Benedita da Cruz (Edith Stein) | 1891 – 1942
Diálogo Noturno

Por Dom Caetano Ferrari, OFM, Diocese de Bauru

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.