Notícias

Arquidiocese de São Paulo avalia plano de pastoral

imagemCerca de 250 pessoas participaram da Assembleia Arquidiocesana de São Paulo a fim de discutir e apresentar propostas que serão implementadas com base nas urgências e diretrizes do 11º Plano de Pastoral (2013-2016).  O evento ocorreu na manhã do último sábado, 26/10, no colégio Marista Arquidiocesano.

O cardeal dom Odilo Pedro Scherer, arcebispo metropolitano de São Paulo, abriu os trabalhos saudando os que lá estavam; desejou que o dia fosse proveitoso e “que a Igreja continue a ser aquela que traz para as pessoas a força de Deus”. Disse que todos são chamados e tem como missão serem testemunhas de Jesus Cristo na cidade de São Paulo, de Sua ação salvadora, para que Ele continue a realizar a sua obra.

Após a palavra inicial do arcebispo, o Padre Tarcísio Marques Mesquita, coordenador arquidiocesano de pastoral da Arquidiocese de São Paulo, explicou como seria a dinâmica da assembleia.  Estavam presentes os bispos regionais da arquidiocese.

Antes mesmo de ocorrer a Assembleia Arquidiocesana, já existiam algumas propostas destacadas por diversas instâncias eclesiais da Arquidiocese de São Paulo: paróquias, setores, regiões, pastorais e demais organismos. Dom Milton Kenan Junior, bispo auxiliar de São Paulo e referencial para o Secretariado de Pastoral, leu a síntese dos destaques enviados anteriormente por estes setores, dividindo-os em duas partes; primeiro, as propostas enviadas pelas Regiões Episcopais e segundo, as enviadas pelas pastorais. Tal distinção se dá, segundo dom Milton, porque, “por mais que as urgências fossem as mesmas e que algumas propostas se repetissem, os enfoques dados foram diferentes”.

No 11º Plano de Pastoral está especificado o Projeto de Evangelização quadrienal. Em 2013, o destaque na Igreja de São Paulo está na “Fé que Cremos”. Para 2014, o que norteará os trabalhos é “A Fé que celebramos”. Diante deste contexto, o Plano destaca 3 urgências a serem trabalhadas no ano que vem: Igreja em estado permanente de missão; Igreja – casa da iniciação à vida cristã; e Igreja e a evangelização dos jovens.

Foram convocados para o evento, o coordenador de Pastoral das 6 Regiões Episcopais; os coordenadores dos 46 setores regionais; 10 pessoas entre leigos, religiosos e sacerdotes, do Conselho Regional de Pastoral (CRP); 5 representantes de cada coordenação de pastoral que constituem o Conselho Arquidiocesano de Pastoral (CAP).

Dom Odilo lembrou a importância de se olhar para o ano de 2013, que logo se encerra, e refletir sobre como caminhou o Plano de Pastoral. Ele acredita que o ano foi e está sendo muito intenso, onde muitas coisas aconteceram; o cardeal citou algumas situações novas e marcantes na Igreja, como a renúncia do Papa emérito Bento XIV; o Conclave; o novo Papa, Francisco, que trouxe todo um conjunto de elementos novos; e a Jornada mundial da Juventude, que marcou fortemente o ano.

O arcebispo salientou que também é tempo de olhar para frente e se orientar para 2014, mais com um olhar a partir da Igreja de São Paulo, em particular, de modo que Ela não fique algo abstrata. “Por isso nós temos um projeto, um Plano de Pastoral. Eu o chamo como um grande propósito para ser realizado ao longo desses anos, que quer nos levar a sermos testemunhas de Jesus Cristo na cidade.”

A organização dividiu os participantes em 12 grupos, onde discutiram e destacaram propostas que atendam às urgências contidas no 11ª Plano de Pastoral, em âmbito arquidiocesano. Em seguida, o secretário de cada grupo leu em plenário o resultado elaborado na atividade em conjunto. Tudo o que foi apresentado será aglutinado e levado na próxima reunião do CAP para, depois, serem expostos no conselho geral dos bispos da Arquidiocese de São Paulo.

Entre as propostas mencionadas nos grupos de trabalho destacam-se a questão da formação em diversos aspectos: ampla, missionária e permanente; de leigos missionários; de Fé Política; cristã, formação valorizando o kerigma, utilizando-se de novas metodologias. Também ficou em evidências a necessidade de se ter uma maior articulação entre as pastorais; e a questão da presença pública da Igreja, a importância dos cristãos participarem dos diversos conselhos.

A importância da mulher na Igreja

Foi apresentada pelos grupos de trabalho da Assembleia Arquidiocesana, a proposta que reivindica uma maior participação da mulher na Igreja.

O arcebispo de São Paulo fez uma reflexão sobre o tema, reconhecendo a importância da mulher e disse que ela tem um papel importante na Igreja, comunidade e humanidade, além de ter um poder de influência decisivo.

Dom Odilo falou sobre a preocupação que tem ao pensar que a missão da Igreja estará em risco, caso a mulher não assuma um trabalho Nela. Ele salienta que grande parte da missão da Igreja passa pela ação da mulher em diversos campos, especialmente na questão da Evangelização para a transmissão da Fé, não só no Cristianismo, mas em outras religiões. “É importante que a mulher ocupe o seu espaço e dê a sua retribuição específica”. Concluiu o cardeal.

O 11º Plano de Pastoral

Com o 11º Plano de Pastoral, a Arquidiocese de São Paulo orienta sua ação evangelizadora e pastoral dos próximos quatro anos na grande cidade de São Paulo, para despertar nos fiéis o ardor missionário e o compromisso com a transmissão da fé e a promoção da vida e dignidade da pessoa humana.  Como acolher, despertar e motivar os jovens para a participação na vida e na missão da Igreja, tornando-os agentes da nova evangelização e testemunhas da esperança? Como celebrar os 50 anos do Concílio Vaticano II ara despertar nos corações e nas estruturas eclesiais os valores preconizados, como a busca da santidade, a eclesiologia da comunhão, o diálogo com o mundo, a defesa da vida e a promoção da justiça e da paz?

O 11° Plano de Pastoral, que dá continuidade ao caminho realizado pela Arquidiocese de São Paulo, tem como referência o próprio 10º Plano de Pastoral “Discípulos-missionários na cidade de São Paulo” (2009-2012), sobretudo na avaliação das situações que desafiam a vida e a ação da Igreja na Cidade; além do Projeto de Animação Missionária Permanente (PAMP) do Regional Sul 1 da CNBB, da Conferência de Aparecida, da exortação Apostólica Verbum Domini do Papa Bento XVI (2010), das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (2011-2015), da comemoração dos 50 anos do Concílio Vaticano II, do Ano da Fé (2012-2013) e da Jornada mundial da Juventude de 2013, no  Rio de Janeiro, com repercussão também em São Paulo.

São referências fundamentais para o 11º Plano de Pastoral a Palavra de Deus e o Catecismo da Igreja Católica, como pede o Papa Bento XVI na Carta Apostólica Porta Fiedei (A Porta da Fé).

Na Fidelidade a Jesus Cristo

O Plano de Pastoral é um instrumento de orientação e trabalho, no qual a Arquidiocese, “testemunha de Jesus Cristo na cidade de São Paulo”, traduz a sua referência fundamental e constante a Cristo: Pastor, Mestre e Sumo Pontífice da Igreja, inteiramente devotado à glória do Pai e voltado para a salvação e a vida da humanidade.

Com o 11º Plano de Pastoral, na fidelidade a Jesus Cristo, a Arquidiocese de São Paulo quer imprimir em toda ação pastoral a preocupação de tornar visível Crist Profeta, anunciador do Reino do Pai e da Palavra da Salvação; Cristo Sacerdote, Mediador da Nova Aliança, que em seu Corpo reconcilia os homens com Deus e entre si; e Cristo Pastor, Aquele que dá a vida pelo seu rebanho.

Urgências na Ação Evangelizadora e Pastoral

No esforço de ser fiel à sua história, buscando uma maior fidelidade a Jesus Cristo e atenta às imensas possibilidades que a cidade de São Paulo lhe proporciona para evangelizar, não obstante os desafios que muitas vezes são angustiantes, a Arquidiocese de São Paulo, através do 11º Plano de Pastoral, deseja apontar pistas para desencadear uma ação audaz, decidida e comprometida com o Evangelho, onde todos os seus membros sintam-se corresponsáveis e participantes da sua missão, no lugar e tarefa que lhes são próprios.

A premissa fundamental para a escolha e a elaboração das propostas e seus respectivos projetos é evangelizar bem e formar discípulos missionários conscientes de que a conversão pastoral é o caminho necessário para a realização deste objeto.

A partir da conversão pastoral e missionária, entende-se a importância das urgências pastorais: são urgências na evangelização. Tendo consciência da sua missão de transmitir e dar um alicerce sólido à fé, a Igreja do Brasil destaca cinco urgências na evangelização, às quais a Arquidiocese de São Paulo acrescenta uma sexta, relacionada à juventude:

Primeira urgência: Igreja em estado permanente de missão;

Segunda urgência: Igreja – casa da iniciação à vida cristã;

Terceira urgência: Igreja – comunidade animada pela Palavra de Deus;

Quarta urgência: Igreja – comunidade de comunidades;

Quinta urgência: Igreja a serviço da vida plena para todos;

Sexta urgência: A Igreja e a evangelização dos jovens.

Em cada uma das urgências são apresentadas no Plano, indicações considerando a realidade pastoral da Arquidiocese, e um elenco de projetos pastorais a serem implementados pelos diversos sujeitos pastorais: Paróquias, comunidades, setores pastorais, regiões episcopais, movimentos, associações e organismos eclesiais e coordenações arquidiocesanas.

Fonte: 11º Plano de Pastoral – 2013-2016. Créditos Diego Monteiro. Site da Arquidiocese de São Paulo.

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.