Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

A preocupação com crescimento da varíola dos macacos e a presença da religiosa adamantinense Irmã Maria Zelinda Cardim, que reside no Haiti, marcaram os últimos momentos de reflexão dos padres da Diocese de Marília (SP) que, ao longo da semana, estudaram o Código de Direito Canônico

O Curso Anual de Atualização Teológica e Pastoral dos Presbíteros da Diocese de Marília (SP) que se encerrou ontem, dia 25, em Adamantina, contou com orientações sanitárias sobre a doença “varíola dos macacos” ou monkeypox, com transmissões confirmadas na região.

A prevenção, a transmissão e o tratamento das lesões foram explicados pelo o Prof. Dr. Miguel Ângelo De Marchi, coordenador geral do curso de medicina do Centro Universitário de Adamantina (Unifai).

O médico, que também é secretário de saúde de Tupã, esteve na Casa Pastoral Dom Osvaldo Giuntini juntamente com a coordenadora de ensino do curso de medicina da Unifai, Profa. Daniela Buchaim. Eles indicaram aos padres que trata-se de “um vírus que determina lesões bolhosas e microbolhosaa em face, tronco, membros superiores e inferiores, mãos e pés” e falaram da capacidade de transmissão de pessoa a pessoa, em contato com materiais e objetos contaminados, e também por meio da respiração. Disseram que, após o diagnóstico positivo, o paciente precisa manter-se isolado no período de 20 a 30 dias, pois “não há tratamento e vacina específicos”.

Os profissionais de saúde alertaram sobre todos os cuidados durante as celebrações, reuniões e eventos eclesiais, e ressaltaram a responsabilidade da Igreja na precaução e conscientização dos fiéis. “Temos que ficar atentos no contato com as superfícies. Lavar as mãos e uso de máscaras são indicados para a prevenção”, finalizou o médico.

Um segundo momento que marcou a conclusão dos dias de estudos dos padres foi a presença e testemunho da Irmã Maria Zelinda Cardim, ASCJ. Nascida em Adamantina, a apóstola do Sagrado Coração de Jesus vive no Haiti desde 2011 e, durante uma das celebrações eucarísticas, partilhou com o clero sua experiência missionária: “o que tenho para testemunhar é a fé do povo haitiano. Diante das catástrofes vividas lá, sejam naturais e até mesmo as políticas e sociais, são pessoas que acreditam em Deus e mantêm viva a esperança de dias melhores”.

A missionárias que, além fronteiras, trabalha com a educação de crianças carentes e também presta auxílio na área da saúde, atua com mais três religiosas, sendo duas brasileiras e uma nativa.

Avaliação

A edição presencial de 2022 do Curso de Atualização Teologia e Pastoral dos presbíteros foi bem avaliada pelos padres e também pelo bispo diocesano que, sobre a responsabilidade canônica do clero de pastorear os fiéis, pediu para que os ministros ordenados estejam cada vez mais próximos das pessoas, cuidando bem das necessidades espirituais e sociais, “a fim de que a Diocese de Marília esteja mais próxima daquilo que Jesus espera de nós”.

Em suas considerações finais, Dom Luiz também agradeceu o vigário geral, Pe. Mauricio Pereira Sevilha, que assessorou a reflexão sobre o Código de Direito Canônico, “em sua clareza e eficiência ao apresentar o tema de estudos”, e ao Pe. Marcos Roberto Cesário da Silva, coordenador de pastoral, e aos colaboradores do Centro Diocesano de Pastoral (CDP), pela organização dos dias de oração, reflexão e convivência sacerdotal.

Fotos: Pe. Tiago Barbosa (Departamento de Comunicação)