Artigos

Animação Vocacional

Neste mês de agosto vamos refletir um pouco sobre a importância e necessidade da Pastoral Vocacional/Serviço de Animação Vocacional (PV/SAV) na Igreja. São João Paulo II disse: “a pastoral vocacional exige, sobretudo hoje, ser assumida com um novo, vigoroso e mais decidido compromisso por parte de todos os membros da Igreja, na consciência de que ela não é um elemento secundário ou acessório, nem um momento isolado ou setorial, quase uma simples parte, ainda que relevante, da pastoral global da Igreja: é sim … uma dimensão conatural e essencial da pastoral da Igreja, ou seja, da sua vida e missão” (Exortação  Apostólica  Pós-Sinodal  Pastores Dabo Vobis, 34).

Qual  a  visão  que  temos  de Pastoral Vocacional? Conseguir candidatos para o sacerdócio e para a vida religiosa? Pensar assim a Pastoral Vocacional é restringi-la. E as outras vocações não precisam também de cuidados? Precisamos de uma animação vocacional que ajude os cristãos a tomarem consciência da dimensão vocacional de toda a sua vida; que promova uma consciência e mentalidade vocacional, ou seja, uma cultura vocacional; que favoreça nos adolescentes e jovens o despertar vocacional e os acompanhe no discernimento.

O 2º Congresso Vocacional do Brasil, realizado em 2005, trouxe muitas orientações para o Serviço de Animação Vocacional. Quanto ao lugar do SAV, o Congresso afirmou que é preciso salvaguardar o seu lugar central na Pastoral Orgânica das dioceses e paróquias; que ele é o responsável pela conscientização de que todos formamos a Igreja “assembleia dos chamados”; que ele deve fazer a dimensão vocacional perpassar todas as componentes da comunidade eclesial. A respeito da missão do SAV, o Congresso elencou: a) ajudar os jovens a descobrir o sentido da vida; b) despertar, discernir, cultivar e acompanhar todas as vocações e todos os ministérios; c) ajudar os jovens a responder com generosidade ao chamado divino; d) inserir o acompanhamento vocacional no processo de iniciação cristã; e) valorizar e continuar com as equipes de animação vocacional; f) criar uma cultura vocacional que evidencie a dimensão vocacional de toda atividade evangelizadora; g) ajudar a Pastoral Vocacional a inserir-se nas áreas de fronteira; h) preparar os animadores vocacionais para a missão a ser exercida.

O Congresso tratou também do lugar da espiritualidade no SAV, mostrando que é preciso: a) privilegiar a experiência trinitária de Deus no itinerário vocacional; b) integrar os acontecimentos da vida com os momentos de oração e celebração; c) articular contemplação e ação na vida pessoal do animador vocacional; d) cultivar na espiritualidade mariana a dimensão do discipulado.

O Congresso também tratou do itinerário vocacional, que engloba despertar, discernir, cultivar e acompanhar, apresentando indicações práticas bem concretas não somente para o itinerário dos vocacionados e vocacionadas, mas também para o itinerário das vocações especificas: cristãos leigos e leigas, pessoas de vida consagrada, vida presbiteral e diaconado permanente. Dentre as indicações para o itinerário vocacional dos cristãos leigos e leigas, destaco: valorizar a família enquanto Igreja doméstica, favorecendo a vivência do compromisso batismal, sendo sinal e fermento do Reino no mundo, uma vez que ela é sementeira de todas as vocações e ministérios (cf. Veredas Vocacionais – Textos conclusivos dos Congressos Vocacionais do Brasil, Edições CNBB, páginas 51-54).

Aproveitemos este mês de agosto para pensar e rezar a questão vocacional em nossas comunidades paroquiais, em toda nossa Arquidiocese.

Dom Moacir Silva
Arcebispo Metropolitano de Ribeirão Preto (SP).

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.