Artigos Coronavírus Destaques Pandemia

A missão da Igreja Missionária em tempos de pandemia

Ensina-nos o Documento Lumen Gentium (LG) que a missão da Igreja é ser o lugar, o espaço, a comunidade onde a humanidade pode encontrar Deus em Jesus Cristo e ser santificada no seu Espírito Santo. Por isso, a Igreja, preparada pelo Pai, fundada pelo Filho e continuamente santificada pelo Espírito, é semente do Reino de Deus que nela já atua misteriosamente. É nela que se experimenta, de modo mais intenso, o Reino trazido por Jesus!
Para ser o lugar, o espaço e a comunidade onde a humanidade possa encontrar Deus, ela se utiliza de alguns sinais visíveis e fundamentais para que Deus seja revelado. Vou comentar dois sinais privilegiados da revelação de Deus ao mundo: a liturgia e a caridade.

As duas tem a mesma importância e valor. Existem momentos que a liturgia, com as celebrações dos sacramentos e a proclamação da Palavra são fundamentais. Por ela, as pessoas vão crescendo no conhecimento de Jesus Cristo. A liturgia se torna catequese e forma de atingir o coração das pessoas numa proximidade amorosa para com Deus e o seu Reino. Diante disso, não podemos nunca deixar que nossas liturgias sejam vazias e superficiais, desencarnadas da realidade de nosso povo.

Uma segunda forma de revelação de Deus, de igual importância, é a caridade. Jesus nos ensinou em Mateus 25, que estaria presente nos sofredores, nos famintos, sedentos, nos desabrigados, nos enfermos e nos presidiários. Nestes e em outros irmãos que sofrem, Jesus está se revelando e presente. Portanto, ao servir estes irmãos a Igreja também revela Deus à humanidade.

Neste tempo de pandemia, em que somos obrigados a evitar aglomeração e que nossas liturgias tornaram se virtuais e não mais presenciais, os sacramentos foram adiados, a catequese, quando não virtual, nem pode ser transmitida, resta-nos evangelizar, assumir nossa missão pela caridade. Ela é o lugar em que Cristo está chamando a “Igreja em saída”, no momento, a levar a luz do Cristo às pessoas. Missão é sempre sair, é saber-se e sentir-se enviado por Deus. O Papa Francisco dizia em novembro de 2013 “Prefiro uma Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas, a uma Igreja enferma pelo fechamento e a comodidade de se agarrar às próprias seguranças”. Por isso, evangelizar é sempre correr riscos. Os primeiros apóstolos tiveram que entregar a vida para anunciar o evangelho.

Com todo cuidado que o tempo pandemia exige de nós, como cristãos batizados, não tenhamos medo de evangelizar pela caridade. A prática da caridade dá testemunho de que somos Igreja e Igreja missionária.
Jesus nos ensinou que o que vai nos salvar no final de nossa vida é a caridade. São Paulo diz na Carta aos Coríntios que, no final, só nos restará a caridade (cf. cap. 13). A liturgia, os sacramentos, a catequese e a Palavra de Deus, nos fortalecerão para vivermos melhor a caridade que hoje tem o nome de solidariedade e que, pelo que me parecer, é a melhor forma de evangelizar neste tempo de pandemia.

Saindo de nós mesmos e de nossas pequenas seguranças, indo ao encontro do irmão que sofre, cumpriremos o mandato de Jesus que nos deu o exemplo ao doar sua vida e que ressuscitado não nos deixou sozinhos. Nos enviou o Defensor (Paráclito) e disse que estaria conosco todos os dias até o fim do mundo (Mt, 28, 20).

Por Dom Manoel Ferreira dos Santos Junior, MSC, Bispo Diocesano de Registro

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.